quinta-feira, 16 de setembro de 2010

Manifesto: NÃO QUEREMOS POLÍTICOS PAIZINHOS - Fim da Cidadania Infantil! [e... um sistema menos permeável a lobbys]

Os políticos honestos (que existem!) não dão, claramente, conta do recado: políticos/marionetas ao serviço da superclasse (alta finança - capital global) CAVAM BURACOS SEM FIM: nas finanças públicas, nas empresas públicas, na Banca... mais, construção de auto-estradas 'olha lá vem um', estádios de futebol sem público, nacionalização de bancos falidos, etc, etc, etc...
.
O cidadão não pode ficar à espera de «políticos-faz-tudo»… e depois, quando a  'coisa' corre mal,... andar por aí o tempo todo a insultar políticos!?!?!
.
'Vira o disco e toca o mesmo' - vulgo eleições antecipadas atrás de eleições eleições antecipadas - não é solução!...
A democracia directa também não é solução (é processo de decisão pesado/lento)... bom, todavia, no entanto, votar em políticos não pode ser passar um 'cheque em branco'!!!!!!
Os cidadãos não podem ver os políticos como um 'paizinho'... devem, isso sim, é exigir uma maior fiscalização e controlo sobre a actividade política... e... um sistema menos permeável a lobbys!
O Presidente da República pode vetar uma lei... sem querer derrubar o governo!!!
Os contribuintes devem poder vetar uma despesa com a qual não concordam... sem querer derrubar o governo!!!
Não é só andar a pagar as dívidas que os governos fazem/deixam!... De facto, quem paga - leia-se, contribuinte - tem de ter um maior controlo sobre a forma como é gasto o seu dinheiro... isto é, ou seja, o contribuinte deve possuir o Direito de defender-se!
.
--->>> Ora, o contribuinte não pode andar constantemente a correr atrás do prejuízo:  BPN, PPP's, etc, etc, etc... leia-se:
!!!...DEMOCRACIA SEMI-DIRECTA...!!!
[nota: possibilita a existência de um processo ágil de tomada de decisões... e... permite que o contribuinte não passe um 'cheque em branco' aos políticos]
.
De facto:
- não podemos ser cúmplices dos 'Políticos Carta Branca': os políticos que querem carta branca para continuar a estoirar milhões e milhões em endividamento...
- temos de  apoiar os 'Políticos Disponíveis para serem Fiscalizados' (pelo contribuinte): "O Direito ao Veto de quem paga".
.
.
Explicando melhor:
-» Todos os gastos do Estado (despesas públicas superiores a - por exemplo - 1 milhão de euros) que não sejam considerados de «Prioridade Absoluta» [nota: a definir...] devem estar disponíveis para ser vetados durante 96 horas pelos contribuintes.
{nota: a forma de vetar... deverá ser através da internet no "Portal dos Referendos" (portal que deverá vir a ser criado: será um "Edital das Despesas Previstas") -> aonde qualquer português com número de contribuinte, e maior de idade, poderá entrar e participar}
-» Para vetar [ou reactivar] um gasto do Estado deverão ser necessários 100 mil votos [ou múltiplos: 200 mil, 300 mil, etc] de contribuintes.
Nota: os políticos devem mantidos com a rédea curta... assim sendo, PRECISAMOS QUE TODOS os contribuintes estejam atentos aos gastos de dinheiro feitos dos políticos; leia-se, todos os contribuintes devem estar atentos ao "Portal dos Referendos".
{um ex: a transferência de dinheiro do contribuinte para a... nacionalização do negócio 'madoffiano' BPN nunca se realizaria: seria vetada pelo contribuinte!}
.
.
Resumindo, TOCA A ABRIR A PESTANA:
- não se queixem do facto de estar a ser mal gasto dinheiro do Estado: abram os olhos... e vetem!!!
- mais, o cidadão não pode ficar à mercê de pessoal que vende empresas estratégicas para a soberania - e que dão lucro (!?!?!) -,que nacionaliza negócios "madoffianos" (aonde foram 'desviados' milhões e milhões), etc.




P.S.
Quem paga (vulgo contribuinte) usaria o seu número de contribuinte, num portal do ministério das finanças (a ser construído - o "Portal dos Referendos") para exprimir o seu VETO à despesa pública com a qual não concorda.
Deve-se evitar os 'vetantes sistemáticos'... assim sendo, os contribuintes devem ser motivados... não só a fazerem 'login' no "Portal dos Referendos"... como também, a fazerem um bom uso do seu plafond de ter Direito a 15 vetos mensais - que poderão acumular (até ao valor máximo de 30 vetos) para o mês seguinte.

P.S.2.
O «LAMENTAÇÕES MAFIOSO»
-> Não precisamos de lamentações sistemáticas... precisamos é de bons mecanismos de controlo... e precisamos que todos os contribuintes estejam atentos.
-> Existe o «Lamentações Parolo»... e... existe o «Lamentações Mafioso» - as lamentações deste não visam o mudar do sistema... leia-se, apenas visam 'mudar as moscas'... ficando o sistema inalterável: um sistema muito permeável a lobbys... leia-se, um sistema muito permeável ao lobby dos políticos e a muitos outros (um exemplo: o lobby dos banqueiros).

P.S.3.
A limitação do número de mandatos dos políticos é um álibi/truque para reivindicar reformas antecipadas!
Os políticos não deverão ter o número de mandatos limitado... mas, em contrapartida, esses mandatos deverão estar sujeitos a uma muito maior vigilância/controlo por parte dos cidadãos...; e os políticos deverão ter uma idade de reforma igual à do regime geral!

P.S.4.
A não apresentação de contas de forma transparente (para serem sujeitas ao (possível) veto pelo contribuinte), deveria implicar – constitucionalmente – a demissão imediata do governo (ou câmara municipal), e a proibição, do partido em causa, em concorrer às próximas eleições.

P.S.5.
Algumas negociatas poderão continuar escapar... no entanto - com o Direito ao Veto do Contribuinte - existirão as condições necessárias para vetar MUITAS negociatas para amigos...

P.S.6.
Não há necessidade do Estado possuir negócios do tipo cafés (etc), porque é fácil a um privado quebrar uma cartelização... agora, em produtos de primeira necessidade que implicam um investimento inicial de muitos milhões... (mesmo sendo inquestionável, todavia, na minha opinião, o facto de que é a iniciativa privada o motor do desenvolvimento económico) é uma ÓTARICE deixar tais actividades estratégicas para a soberania à mercê dos privados!
Exemplos:
- roubalheira a 'torto e a direito': Portugal tem a terceira gasolina mais cara da Europa antes de impostos;
- chantagens: a espanhola 'Endesa' decidiu chantagear o Estado português;
- e mais chantagens: para que a Europa não caísse num caos económico, a dívida da Grécia a privados foi transferida para os contribuintes (instituições públicas);
- e... mais chantagens: economistas que aconselhavam a privatização da Caixa Geral de Depósitos... depois... "para que a economia do país não caísse num caos"... passaram a aconselhar... a entrada do Estado em negócios 'madoffianos' (leia-se: depois de terem sido roubados milhões e milhões... a 'coisa' é enfiada ao contribuinte): nacionalização do BPN, Estado vai controlar posição accionista de 20% no BCP, Estado injecta 1100 milhões de euros na recapitalização do Banif,etc. [leia-se: o contribuinte foi transformado no 'depósito do lixo' dos banqueiros!]

P.S.7.
O «Direito ao Veto de quem paga» (vulgo contribuinte) - fim-da-cidadania-infantil - também será uma forma de proteger políticos sérios face às ameaças de pessoas sem escrúpulos (que se consideram donos do dinheiro dos contribuintes).
Explicando melhor, a 'coisa' não pode ser vista como «trigo limpo, farinha Amparo»... isto é, ou seja, no meio de políticos não-corruptos poderão sempre existir políticos corruptos - e vice-versa -,... consequentemente, como é óbvio, é MUITO MUITO importante que os políticos não-corruptos se sintam apoiados pelos contribuintes... e, como é óbvio, o Direito ao veto do contribuinte... será uma forma de os contribuintes apoiarem os políticos não-corruptos.

P.S.8.
Espiral Recessiva: o aumento de impostos para pagar a Dívida Pública... provoca uma diminuição do consumo... o que provoca um abrandamento do crescimento económico... o que, por sua vez, conduz a uma diminuição da receita fiscal!...
Por outras palavras: pedir dinheiro emprestado é um assunto demasiado sério para ser deixado aos políticos!!!
Toda a gente pôde ver: políticos incompetentes (fazendo jeitinhos a certos lobbys) ao contraírem dívida... conduziram o país rumo à falência!...
Quando um qualquer ravioli-mafiosi começa a falar em deficit e dívida pública... a resposta do contribuinte deverá ser: «o quê!? o quê!? o quê!?... os políticos foram eleitos TÃO E SOMENTE para gerir o bem público!...»
Explicando melhor, quando um político quer contrair dívida... tal terá de passar por um outro 'crivo'!... Leia-se: o contribuinte terá de reconhecer que o político em causa possui competência para estar a contrair dívida!!!
Ora, de facto, quando uma entidade qualquer contraí dívida das duas uma:
- ou vai recuperar o investimento... ou... vai afundar-se ainda mais!...
 ---> Resumindo: É necessário uma campanha para MOTIVAR os contribuintes a participar... leia-se, votar em políticos, sim, mas... não lhes passar um 'cheque em branco!!! Leia-se: para além do «Direito ao Veto de quem paga».... é urgente uma nova alínea na Constituição: o Estado só poderá pedir dinheiro emprestado nos mercados... mediante uma autorização expressa de quem paga (vulgo contribuinte) - obtida através da realização de um REFERENDO (nota: políticos 'armados' em investidores deixaram-nos à beira da bancarrota… o contribuinte tem de abrir a pestana!!!).

P.S.9.
-> Pessoal (agora) indignado com os actuais índices económicos... todavia, no entanto, não se indignaram com o facto de SER MUITO PERIGOSO  o governo de  Sócrates (e outros governos) andarem a pedir 'mil milhões' às carradas.
{pois é, também se tem de pensar em pagar}
-> Anda por aí muita conversa que visa o perpetuar/eternizar da parolização do contribuinte: queda de governos semestre sim, semestre sim,... leia-se, 'mudar as moscas'... ficando o sistema inalterável (vira o disco e toca o mesmo): um sistema aonde os lobbys manobram sempre a seu belo prazer... e... aonde, ao passarem a «ex-», os governantes terão belos 'tachos' à sua espera.

P.S.10.
Precisamos de todos
-> Não precisamos de lamentações sistemáticas... precisamos é de bons mecanismos de controlo... e precisamos que todos os contribuintes estejam atentos.
->  Para que os cidadãos estejam mais atentos... deverá ser incluída na Escolaridade Obrigatória a disciplina «Consciencialização do Contribuinte»: nesta disciplina deverá ser ensinado aos alunos as 'n' tropelias que os contribuintes têm sofrido ao longo dos anos (ex: BPN's, PPP's, etc). E mais: devido ao facto de ser necessário uma maior participação do contribuinte/consumidor... deve existir um 'reforço' no ensino das disciplinas de Economia e de Finanças Públicas na escolaridade obrigatória.

P.S.11.
Concluindo e resumindo:
-> O conceito de «político governante» pressupõe um sistema MUITO PERMEÁVEL a lobbys... e aquilo que importa mesmo... é um sistema MENOS PERMEÁVEL a lobbys...
-> Por um sistema menos permeável a lobbys: temos de pensar, não em «políticos governantes», mas sim, em «políticos gestores-públicos» que fazem uma gestão transparente para/perante cidadãos atentos...leia-se, temos de pensar em bons mecanismos de controlo... um exemplo: fim-da-cidadania-infantil!
->  As vantagens da Democracia Semi-Directa 'Fim-da-Cidadania-Infantil' em relação à Democracia Directa estão à vista:
1- em caso de necessidade (depois haverá uma análise dos fundamentos) o Executivo Governamental poderá tomar decisões rápidas;
2- o contribuinte não será atafulhado com casos de 'custo-bagatela'.




*



Mais um P.S.
-> Democracia Representativa... sim mas... com uma REDUÇÃO DO PODER DOS POLÍTICOS e uma MAIOR SUPERVISÃO exercida pelo Contribuinte!
-> Democracia Semi-Directa: o «fim-da-cidadania-infantil» NÃO É democracia directa... é tão somente (o que já não é nada pouco!)... um maior controlo da despesa!...
[nota: vai significar uma melhor gestão dos recursos disponíveis... vai significar um sistema menos permeável a lobbys... e vai também prevenir/evitar mais aumentos de impostos no futuro]
[mais uma nota: os lobbys poderão negociar normalmente com os governos… só que… depois… a coisa terá que passar pelo ‘CRIVO’ do contribuinte: "O Direito ao Veto de quem paga"]
.
.
Mais um outro P.S.
É PRECISO TER UMA GRANDE CARA DE PAU!
-> Não é difícil de ver que as pensões de reforma são um «sistema piramidal» que carece de sustentabilidade... {são necessárias alterações}
-> As pensões de reforma dos bancários estavam numa situação pior: eram um sistema piramidal em ruptura acelerada... resultado: o sistema piramidal dos bancários (em ruptura acelerada) foi 'enfiado' ao contribuinte...
--->>> É preciso ter uma grande cara de pau: depois de ter 'enfiado' o sistema piramidal (em ruptura acelerada) ao contribuinte... o banqueiro Ricardo Salgado aparece com a conversa: «Corte nas reformas é terrível»!?!?!
Nota: num Sistema Público discute-se "condições para a sustentabilidade"... pelo contrário, num Sistema Privado corre tudo às mil maravilhas... só que depois a 'coisa' abre falência de um dia para o outro (um exemplo: o caso Madoff).





*





Anexo:
'EQUILIBRAR A COISA'
{'martelar' por 'martelar'... não é 'martelar' sempre os mesmos}
-> Não é só taxar os consumidores... há que 'Equilibrar a Coisa'!
-> Taxar os investidores (ex: taxa Tobin)... vai prejudicar o crescimento da economia (fuga de capitais)...
-> Taxar os consumidores (em particular, os trabalhadores por conta de outrem)... vai provocar uma diminuição no consumo... logo TAMBÉM... vai prejudicar o crescimento da economia...
.
Face à existência duma dívida para pagar... deve-se 'Equilibrar a Coisa': taxar consumidores... E TAMBÉM taxar investidores: um exemplo, uma taxa sobre transacções financeiras em bolsa (vulgo Taxa Tobin).


42 comentários:

  1. «Os principais líderes do manifesto ‘Geração à Rasca’ foram investigados pelas polícias SIS e PSP que assim se preparam para controlar e vigiar onze manifestações autorizadas amanhã, sábado.» http://ur1.ca/3gwds
    «CENSOS 2011: os falsos (embora reais) recibos verdes vão ser contabilizados como trabalhadores/as por conta de outrem»:http://fartosdestesrecibosverdes.blogspot.com/
    E por último, confirma-se o velho ditado «com papas e bolos se enganam os tolos». Este Census não é nacional e após o tratamento de dados será partilhado com Bruxelas: http://ur1.ca/3gw4b

    ResponderEliminar
  2. Pior do que o feudalismo ou o nazismo, em muitos aspectos, o regime actual, explora os mais pobres até ao tutano, fazendo uma gestão a favor dos mais de 40 amigos do Ali-Babá e contra a maioria da população.

    Cumprimentos
    João
    Do Miradouro

    ResponderEliminar
  3. O blogger Tiago Soares Carneiro apresentou as seguintes sugestões:
    - Obrigatoriedade de consulta popular nas grandes decisões;
    - Um quadrado extra nos boletins de voto com o voto em branco, e se esse ganhasse, excluiria os outros todos candidatos para novas eleições.

    ResponderEliminar
  4. Tal como aconteceu na Revolução da Islândia, os cidadãos têm de mobilizar-se... e não ficar à mercê da mafiosice partidária... e... à mercê da superclasse (alta finança - capital global)!

    Mais sugestões que têm sido feitas:

    APROVAÇÃO PELA AR e EVENTUAL INCLUSÂO POSTERIOR NA CONSTITUIÇÃO (embora não necessária):
    .
    1) RACIO máximo PIB/Carga Fiscal.
    .
    2) RACIO máximo PIB/Despesas do Estado (*)
    ...
    ...
    Resolver Portugal é passar a criar Riqueza e Emprego reacendendo o País para um TECIDO ECONOMICO LUCRATIVO para Empregados e Empregadores em vez de passar a vida a viver com dinheiro emprestado, à custa dos outros.
    ...
    ...

    ResponderEliminar
  5. Ver aqui um Organograma que representa a rapina dos bancos ao Estado através de negócios ruinosos e obras públicas criminosas.

    Ver mais aqui.

    ResponderEliminar
  6. No blog blasfémias:

    As empresas privadas, se necessitam se ser recapitalizadas solicitam verbas aos seus sócios, vendem património, pedem emprestado se tiverem condições para obter crédito. Em caso negativo, fecham.
    Agora, colocar à força os contribuintes a ser o garante dos seus créditos... é algo de totalmente inaceitável.
    Afinal, isto está mesmo a saque: puro, duro e sem vergonha!

    ResponderEliminar
  7. A vigilância de cidadãos livres é o temor dos corruptos.

    ResponderEliminar
  8. Estou de acordo com o quadradinho do voto em branco.J.C.S.

    ResponderEliminar
  9. Tudo boas ideias. Fazer bom uso do avanço tecnológico.

    ResponderEliminar
  10. Há alguns que há muito clamam contra a falta de controlo dos políticos. Julgam-se em democracia, os pobres diabos, e nem lhes entra pelos olhos que quanto mais democráticos são os países, mais apertado é esse conttrolo. Com o controlo que existe em Portugal pode dizer-se sem medo de errar que de democracia só tem o nome. e os palhaços continuam a apoiar os verdugos pelo voto. Só de tarados e crêem-se espertalhões.

    É pena o autor não conhecer a diferença entre apóstrofos e aspas. Qualquer dia vai tomar um das Caldas por um pífaro. Tambem se parecem graficamente, só que nem tudo que luz é ouro.

    ResponderEliminar
  11. http://www.youtube.com/watch?v=m1nePkQAM4w&feature=related

    Por muitas voltas que se dê ao assunto, e por milhentas opiniões certinhas e direitinhas que possamos ler por aqui, tudo isto se resume muma coisa: PORRADA.

    E aqui a discussão colocasse ao nivel de, se porrada emocional á vontade de cada um se porrada organizada com forças militares. Se cá se noutro lucal ca Europa ou no mundo. Coloquem as coisas da forma como muito bem entenderem, mas tudo vai parar...

    Ninguem, nem mesmo o mais manso do ser pensante consegue calar tamanha revolta.
    Os senhores da TROIKA, defendem que tem de se baixar os salarios ainda mais. Eles ganham entre os 13 e os 20.000 euros.

    Resumindo, só nos resta...PORRADAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA

    ResponderEliminar
  12. Eu penso que é possível mudar as coisas... sem... porrada!...

    Obrigado pelo comentário.

    ResponderEliminar
  13. menvp,

    Tambem eu queria pensar assim, mas por muito que tente não consigo encontar respostas a curto prazo ás minhas interrogações.

    Mas admito que tenha soluções...quer apontar uma???? Apenas uma.

    ResponderEliminar
  14. Soluções, soluções... não tenho!

    A minha prioridade é... que as pessoas se comecem a interessar por... uma maior fiscalização e controlo sobre a actividade política... leia-se, o Direito ao Veto de quem paga (vulgo contribuinte) - «fim-da-cidadania-infantil».

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Antes de se pensar no que tem de mudar, é preciso pensar como é que se vai tirar esta gente da (des)governação do país, pois, com eles no poder, é sabido o que teremos.

      Uma solução seria surgir(em) um / vários partidos com um programa que inclua estas novas ideias, sendo no entanto bastante dificil fazer frente às máquinas partidarias existentes...

      Outra solução seria organizarem-se movimentos que conseguissem fazer o país parar até que o governo caia e que garantam uma estratégia organizativa para o pós-queda do governo. Claro que isto implica muito trabalho e muita organização, mas não é impossível!!! A islândia é um exemplo disso!!

      Tudo poderá começar por encontros com a população na rua, como sucedeu na Islândia, ou com um forum na internet...

      Eliminar
    2. «Antes de se pensar no que tem de mudar, é preciso pensar como é que se vai tirar esta gente da (des)governação do país»
      .
      .
      Na minha opinião existem pessoas honestas nos actuais partidos políticos... logo, a meu ver, (embora possam surgir novos partidos, e existam políticos que devem deixar de o ser) o caminho a seguir deverá ser LIMITAR A ACÇÃO dos políticos corruptos e APOIAR os políticos não-corruptos... assim sendo, na minha opinião, deverá ser implementada a DEMOCRACIA SEMI-DIRECTA -> o 'Direito ao Veto de quem Paga' (vulgo contribuinte).

      Eliminar
  15. Sejamos construtivos e deixemo-nos de "bocas" infantis como "porrada" e afins.

    Há um meio, que não sendo infalível - tal como justiça - é bem mais fiável do que ela, muito mais rápido, muitíssimo mais económico e, como só vao para a política quem quer, quem para lá fosse teria de se sujeitar, anualmente, a responder à questão:"Neste ano que passou sentiu que alguma vez foi corrompido ou actuou como corruptor?" perante um POLÍGRAFO gerido por especialistas acreditados.

    Claro que todos os advogados, juízes, procuradores, polícias vão por-se aos gritos contra a "máquina da verdade" que lhes estraga os negócios e a influência.
    Mas já demasiada gente perdeu o emprego e passa necessidades para aturarmos mais lobbies e corrupção.

    E, afinal, quem tem medo de uma sociedade de Verdade?
    Não é o Povo, com certeza...

    ResponderEliminar
  16. «Sejamos construtivos e deixemo-nos de "bocas" infantis como "porrada" e afins»

    Totalmente de acordo!!!
    .
    A ideia do polígrafo poderá ser muito útil em alguns casos...
    .
    Obrigado pelo comentário.

    ResponderEliminar
  17. Concordo na generalidade!
    Conte comigo em iniciativas deste âmbito.
    Mas gostaria de lhe dizer que, conhecendo vários políticos muito poucos são, de facto, honestos. Há-os mas é quase necessário andar como o Diógenes.
    Abraço

    ResponderEliminar
  18. Os especialistas acreditados em polígrafos, tb seriam corrompidos...

    ResponderEliminar
  19. Para além de várias soluções para garantir melhor a não corrupção, o cidadão também tem que ser coerente. Não podemos consumir alhos da China,morangos da Espanha, milho do EUA, sem pensar que não se tira ou que não se dá emprego a um português, um exemplo muito simples.
    Responsabilizarmos, quem já percebeu, as pessoas, não como estes governos andam a fazer, mas mostrando o que é evidente e elas teimam em não querer ver.
    Não haverá nenhuma evolução, se a mudança não abranger os actos de cada um de nós a vários níveis.
    Concordo completamente com os vetos, estudando melhor sobre o assunto.

    Obrigada pela partilha!

    ResponderEliminar
  20. «Os especialistas acreditados em polígrafos, tb seriam corrompidos...»
    .
    Pois é!


    O Direito ao Veto alerta-nos para o seguinte: Não podemos reivindicar junto dos políticos como se eles fossem uns paizinhos... temos, isso sim, é que TRABALHAR no sentido de estarmos atentos às actividades dos políticos.

    Obrigado pelos comentários.

    ResponderEliminar
  21. "O inquérito à Utilização de Tecnologias da Informação e da Comunicação (TIC) pelas Famílias realizado pelo INE, publicado na terça-feira, revela que, este ano, 66% dos portugueses tem acesso a um computador em casa, acima dos 64% registados em 2011."

    O número de ligações à net ronta os 61%...

    _________

    Conviria perceber a diferença de cultura, de escolaridade e outros indicadores de forma a perceber o que distingue o povo islandês do nosso... e que determina comportamentos sociais e de cidadania...

    ResponderEliminar
  22. Será necessário uma campanha para MOTIVAR os contribuintes a participar... leia-se, votar em políticos, sim, mas... não lhes passar um 'cheque em branco'!!! Leia-se: para além do «Direito ao Veto de quem paga» (fim-da-cidadania-infantil).... é urgente uma nova alínea na Constituição: o Estado só poderá pedir dinheiro emprestado nos mercados... mediante uma autorização expressa do contribuinte - obtida através da realização de um REFERENDO.

    Uma obs:
    - A conversa de pedir eleições atrás de eleições... governos atrás de governos... é música para otários! Leia-se, é uma conversa que visa perpetuar/eternizar a parolização de contribuinte! De facto, em vez de andar por aí a reivindicar eleições em todos os "trimestres" ('vira o disco e toca o mesmo')... os cidadãos deveriam estar, isso sim, muito mais atentos à actuação dos governos...


    Obrigado pelo comentário.

    ResponderEliminar
  23. É necessário uma Plataforma de Intervenção Cívica que nos permita ultrapassar o sistema vigente.

    ResponderEliminar
  24. Não podemos mudar de povo

    tudo o resto é possível mudar

    Um dia seremos de novo crianças
    nesse dia
    tudo será diferente

    mas podemos começar hoje

    ResponderEliminar
  25. São necessárias mais IDEIAS!...
    Vou colocar aqui um comentário... que um anónimo fez num outro blog:
    «menvp, estou de acordo consigo.

    Mas, como não é possível fazer referendos com muita frequência - e todos os meses os estados gastam muitos milhões - propunha que, NOS PROGRAMAS ELEITORAIS, viessem discriminadas as despesas previstas e os anos em que serão efectuadas - e só, por motivos imprevistos, quando as despesas de determinado projecto resvalassem além dos 2% previstos para esse ano - se realizaria um referendo sobre as seguintes possibilidades, em alternativa:

    1- Autorizando o valor a mais, ou 2- Suspendendo o investimento até novo referendo, a realizar num prazo nunca inferior a 3 anos, ou 3- Impedindo o aumento dos custos.

    Isto, claro está, para valores de aumento de dívida previsível abaixo dos 60% do PIB, conforme Maastrich.»



    ResponderEliminar
  26. Alguém com ideias muito parecidas às minhas! Gostei muito de ler o seu texto! Parabéns, a mim parece-me uma coisa tão óbvia, que não percebo como ainda não existe em país nenhum.

    ResponderEliminar
  27. quanto ao controlo da despesa penso que todos os gastos da administração pública deveriam estar disponíveis na internet. e cada verba deveria ter um responsável.


    Por exemplo deveria ser possível fazer uma pesquisa por "resmas de papel" e encontar quanto e que o estado paga por resmas de papel em todo o lado (Camaras, institutos, etc) e quais os responsaveis por essas aquisiçoes.

    Caso a concorrencia verificasse que as aquisições estao a ser feitas por valores demasiado altos deveria ser possivel sinalizar a situação que seria averiguada e caso se verificasse que as aquisiçoes tinham sido feitas por valores demasiado altos o funcionario perderia o poder de sancionar novas aquisiçoes publicas

    ResponderEliminar
  28. Anónimo muito obrigado pelos seus comentários.
    Os seus comentários vão motivar-me a divulgar, ainda mais, a minha mensagem.

    ResponderEliminar
  29. Nós que pensávamos que vocês não queriam políticos ladrões, corruptos, vigaristas,ou traidores à Pátria, afinal só não querem políticos "paizinhos".... Mais uma organização do pcp disfarçada. Já não enganam ninguém. De facto nunca se viu esta organização insurgir-se ou lutar contra a corrupção. Quando promovem manifestações. ou no parlamento, a conversa é sempre a mesma: insultos ao governo, "troica fora de Portugal" e pouco mais. TGVs, PPPs , que apoiaram no parlamento,institutos , fundações,privilégios escandalosos das empresas públicas, isso está quieto, não vão os nossos perderem os bons empregos. O que é preciso é verborreia de rua, pois a populaça, como nós a preparamos para o analfabetismo facilmente fica convencida que nós lutamos por eles e assim o voto é mais que certo

    ResponderEliminar
  30. Com menos conversa, se meu amigo e amaioria dos Portugueses tivessem lido a proposta do tipo democracia que PCP defende para POrtugal, que se chama "Democracia Participativa"(á luz de outros países como a Suíça ou a Islândia, em vez de ser aquela em que vivemos que é a "Democracia representativa" talvez não tivéssemoschgado ao que chegámos.Tão culpados são os que votam neles ,como aqueles que não votam.

    ResponderEliminar
  31. -> Eu apresento algumas ideias (na minha opinião, boas) que merecem ser discutidas.
    -> É positivo que mais pessoas apresentem mais ideias.

    ResponderEliminar
  32. Estas propostas apresentam uma falha grave e mostram que as pessoas seguem a tendência da moda sem pensarem. A justiça é "apenas" o principal poder neste país, repito, é "apenas" o principal poder neste país. Além disso é um poder não eleito democraticamente. Não houveram propostas para democratizar a justiça.
    Petição DEMOCRATIZAÇÃO DA JUSTIÇA
    http://peticaopublica.com/pview.aspx?pi=P2010N2869

    ResponderEliminar
  33. A democratização da justiça é um assunto que (digamos assim) me ultrapassa um bocado...
    .
    Para mim, existe um assunto de maior urgência: o Direito ao Veto de quem paga!...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pela sua resposta tenho a dizer que você é igual aos outros, só vêm dinheiro à frente. Além disso só vê o que lhe interessa. Veja o vídeo "O povo não presta", é só procurar no google. Este povo gosta muito de futebol e circo!

      Eliminar
    2. É óbvio que existem por aí montes de problemas...
      Reivindicar o Direito ao Veto de quem paga... visa que sejam melhor geridos os recursos disponíveis... existe quem considere que tal reivindicação é pouco... eu acho que tal reivindicação é algo importante.

      Eliminar
  34. Só discordo de uma coisa em tudo que li. A democracia direta ser pesada e lenta. Talvez em outras paragens realmente seja, mas nada, absolutamente nada, é mais lento do que a democracia aqui no Brasil. Penso que aqui o processo ganhará infinitamente mais velocidade com o povo decidindo.

    Os interesses obscuros que movem todo o sistema é que dão celeridade à tomada de decisões. Agora mesmo assistimos o acelerar das votações no congresso para apressar a votação do processo de impeachment. Até a apreciação sobre a fosfoetanolamina ganhou celeridade para desobstruir a pauta. De fato estou de saco cheio dos "meus representantes", prefiro qualquer outra coisa.

    Além do mais, poderíamos cortar a cabeça de metade deste congresso quadrilheiro. Uma modesta economia aos cofres públicos, mas um corte considerável neste feudo de corruptos.

    Ass.: Desrepresentado.

    ResponderEliminar
  35. Obrigado pelo comentário anónimo.

    ResponderEliminar